Posse dos Conselheiros

Posse dos Conselheiros

 

Foi realizada nesta quarta-feira (7) a posse dos Conselheiros representantes da ASMEST junto ao CREA.

Como representante de uma das vagas, foram eleitos os Engenheiros Virgilio Barbosa Balle como Conselheiro Titular, e Robson Teixeira dos Santos como Suplente. Para representar a segunda vaga as Engenheiras Luciana Macedo Silva e Marcella Machado Moura foram as empossadas.

Na cerimônia, os representantes assinaram o Termo de Posse, veja nas fotos:

Segurança do Trabalho: com apoio financeiro do Crea-MS, entidade leva curso a seis cidades

24 nov 2017 Noticias

HOMECATEGORIASEGURANÇA DO TRABALHO: C…

Segurança do Trabalho: com apoio financeiro do Crea-MS, entidade leva curso a seis cidades

Sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Associação Sul-Mato-Grossense de Engenharia de Segurança do Trabalho (Asmest) foi uma das contempladas com recursos financeiros na ordem de R$ 21 mil para a realização do curso de atualização profissional sobre Segurança do Trabalho em Obras de Engenharia.
A Asmest realizará encontros direcionados a engenheiros de segurança do trabalho das cidades de Dourados (10/11), Três Lagoas (17/11), Corumbá (24/11), São Gabriel do Oeste (01/12), Paranaíba (08/12) e em Campo Grande (19/12).

O benefício de apoio financeiro e institucional foi concedido após adesão da entidade ao chamamento público 002/2017 promovido pelo Crea-MS, que também beneficiou a Associação dos Engenheiros, Engenheiros Agrônomos e Arquitetos de Naviraí e Região (Assenar) com R$ 20.500 mil, Associação dos Engenheiros Agrônomos da Grande Dourados (Aeagran), com R$ 9.739,30 e o Instituto de Engenharia de Mato Grosso do Sul (IEMS), com o repasse de R$ 8.587,90.

Segundo o presidente da Asmest, Virgílio Balle, o recurso viabilizado pelo chamamento público é de grande importância para o fortalecimento e crescimento da Engenharia de Segurança em Mato Grosso do Sul, “onde também podemos contribuir para a atualização dos profissionais de todo o Sistema Confea/Crea”.

O 1º vice-presidente no exercício da presidência do Crea-MS, eng. civ. Domingos Sahib Neto, afirma ser esta uma maneira de facilitar o acesso de profissionais a debates e atualizações importantes sobre temas ligados à engenharia e agronomia.

As inscrições para os encontros estão sendo feitas pelo e-mail asmest@asmest.org.br e outras informações podem ser obtidas pelo 67 99212-2063. Para participar é necessária a doação, no dia do evento, de um brinquedo para a campanha Natal Solidário promovido pela entidade.

As entidades beneficiadas têm o prazo de até quatro meses, a contar da data da assinatura do termo de fomento, para realizar os cursos e eventos pretendidos.

 

 

 

 

 

CURSO PERÍCIAS JUDICIAIS “ EDIÇÃO CAMPO GRANDE”

17 abr 2017 Noticias

10% de desconto para associados da ASMEST!

Acontecerá em Campo Grande, no mês de abril, o curso Perícias Judiciais. O curso proporciona aos participantes o conhecimento da prática, da burocracia e dos elementos técnicos para a realização da perícia judicial. %  indicado para engenheiros, arquitetos, administradores, contadores, economistas, médicos e demais profissionais que queiram atuar como perito judicial ou assistente técnico junto ao Poder Judiciário e Ministério Público.

O curso oferece: Material Didático, Certificado de Participação, Suporte técnico e perfil no Cadastro Nacional de Peritos.

Com duração de 15 horas, o curso Perícias Judiciais será ministrado de 04 a 07 de abril de 2016, das 19h às 22h45, no CREA-MS, localizado à Rua Sebastião Taveira, 272, Monte Castelo – Campo Grande-MS.

Inscrições e informações: 0800 600 3622 ou fernanda@manualdepericias.com.br

APOIO:

Acesse o site: www.manualdepericias.com.br

 

OPÇÃO PELA ASMEST NA ART

17 abr 2017 Noticias

Caro Colega, veja como é fácil contribuir com a ASMEST destinando parte do valor recolhido por cada ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) À  nossa Associação.

Basta informar a ASMEST no campo Entidade ao final do formulário de preenchimento de ART.

Esta opção não altera o valor a ser pago pela ART, somente destina uma pequena parte deste recurso para a entidade escolhida.

 

 Fazer login no site do CREA/MS.

 Iniciar o preenchimento da nova ART.

 

 Selecionar a opção “ASMEST – Associação Sul-Mato-Grossense de Engenharia de Segurança do Trabalho” no campo 29 da ART Entidade.

 Gravar ART.

 

 Liberar ART para pagamento e efetuar o pagamento da taxa conforme o procedimento padrão.

 

A ASMEST agradece a colaboração!

CERTIFICADOS DO CURSO E-SOCIAL

17 abr 2017 Noticias

Os certificados do curso eSocial, realizado pela ASMEST em julho de 2015 estão disponíveis para retirada na sede da ASMEST, À  Rua Goiás, n° 718, das 14h00 ás 17h00.

EVENTOS EM NOVEMBRO – 2015

17 abr 2017 Noticias

A ASMEST (Associação Sul-mato-grossense de Engenharia de Segurança do Trabalho), filiada À  ANEST (Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho), realiza nos dias 25 a 27 de novembro de 2015 o  5° CONDEST (Congresso Nacional dos Docentes de Cursos de Engenharia de Segurança do Trabalho)  e o 2° ENEST (Encontro Nacional dos Engenheiros de Segurança do Trabalho).

O 5° CONDEST e o 2° ENEST serão importantes para promover o encontro de docentes, engenheiros de segurança do trabalho, médicos, técnicos de segurança do trabalho, advogados e demais profissionais da Área prevencionista.

O Congresso e o Encontro Nacional  acontecem simultaneamente e vão contar com uma importante conferência de abertura, cursos pró-congresso, palestras em formato de painéis que trarão excelentes técnicas, além da confraternização entre colegas de profissão e a vivência das belezas naturais do Mato Grosso do Sul.

Faça sua inscrição com antecedência e seja bem-vindo(a) ao nosso Estado!

ELIZABETH COX DE MOURA LEITE – autora da primeira pós-graduação em Engenharia no MS agora defende ampliação do currículo da EST

17 abr 2017 Noticias

Mais do que engenheira civil, Elizabeth Spengler Cox de Moura Leite, 61 anos, queria ser docente. Em busca do aperfeiçoamento, encontrou a Engenharia de Segurança do Trabalho e se apaixonou. O romance, oficializado com a especialização feita logo após a formatura da graduação, em 1977, vem dando certo até hoje. Entre seus importantes feitos iniciais na área de Segurança do Trabalho, está a participação na Comissão de Divisão do Estado do Mato Grosso.

A atividade possibilitou a ela conhecer todas as regiões do então novo Mato Grosso do Sul e apresentar um diagnóstico da infraestrutura e das carências com o objetivo de planejar e apoiar investimentos. O primeiro governo estadual tomou posse em 1º de janeiro de 1979, e Elizabeth passou a trabalhar como assessora técnica da Secretaria de Obras e Infraestrutura. A função fez com que acompanhasse ainda mais de perto o desenvolvimento do MS.

Naquele mesmo ano, ela também foi selecionada como docente na Universidade Estadual de Mato Grosso, hoje UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, onde, inicialmente, ministrou aulas nos cursos de Engenharia Civil e Elétrica. De olho na evolução do novo Estado brasileiro, não tardou a tomar a frente de um movimento pela criação da primeira pós-graduação de Engenharia do MS, a Engenharia de Segurança do Trabalho. Foram três anos de mobilização até que, finalmente, em 1988, a especialização foi oficializada na universidade.

O que defende agora é a atualização do conteúdo programático para a formação dos profissionais da área. No seu currículo, ainda constam mestre em Construção Civil na área de Higiene e Segurança, perita judicial, consultora de empresas, ex-presidente e atual integrante do Conselho Consultivo da Anest (Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho), atual presidente da Andest (Associação Nacional dos Docentes de Cursos de Engenharia de Segurança do Trabalho), ex-presidente e atual diretora técnica da Asmest (Associação Sul-mato-grossense de Engenharia de Segurança do Trabalho).

Uma de suas atuais bandeiras é a ampliação do conteúdo para a formação dos engenheiros de Segurança do Trabalho. O que falta no currículo?
As Normas Regulamentadoras de SST foram criadas em 1978, e o conteúdo para o curso de Engenharia de Segurança do Trabalho foi definido em 650 horas em 1987. De lá para cá, surgiram vários outros campos de atuação para o EST. Por exemplo: se você não tem o controle do meio ambiente interno industrial, vai ter problemas no meio ambiente externo. E essas questões são tratadas pelo EST; essa é uma área “nova” para esse profissional. No entanto temos uma carga horária e um ementário do curso que é insuficiente para ver tudo o que deveria ser visto sobre o tema. Nós, da Andest, encaminhamos ao Conselho Nacional de Educação um projeto para contemplar esses novos assuntos nas ementas das disciplinas. Já fizemos várias reuniões com eles, e a proposta está tramitando. Aguardamos a colocação em pauta para aprovação. Mas o projeto já obteve o aval da Coordenadoria Nacional das Câmaras de Engenharia de Segurança do Trabalho do Sistema Confea/Crea. Falta agora esse estudo aprofundado do CNE e sua aprovação.

A Andest também pretende buscar mais informações sobre os cursos de EST no Brasil. Por quê?
Existem muitos cursos de pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho no Brasil, mas não os temos cadastrados. Como presidente da Andest, pretendo levantar esses cursos e ter mais informações sobre eles. É muito comum, ao procurar informações de um determinado curso em que o egresso busca o título e as atribuições no conselho profissional, verificar que esse curso está com problemas na estrutura oferecida à sociedade, faltando atender nos detalhes os dispositivos que o regem. Às vezes, as instituições promovem o curso com um projeto equivocado. Depois, quando o aluno que concluiu vai até o conselho profissional para receber o título e as atribuições, descobre que o curso que fez não é o que deveria ter feito e, portanto, não está cumprindo as exigências da legislação que rege a profissão no Conselho Nacional de Educação e Sistema Confea/Crea. Consequentemente, não vai ter o título de EST e nem as atribuições. No Crea/MS, em que estou como vice-presidente, criamos em janeiro um fórum para tratar as questões do relacionamento da instituição de ensino com o conselho regional.

FOTO
Janine Gonzalez de Paula

Entrevista à repórter Martina Wartchow Silveira

Confira a entrevista completa na edição de abril da Revista Proteção

Fonte da Notícia

Palestras encerram Programa Trabalho Seguro em Dourados

17 abr 2017 Noticias

Como parte da programação do Ato Público pelo Trabalho Seguro, realizado na última sexta-feira (11) o auditório do Sesi, em Dourados, sediou a realização de painéis e palestras direcionadas a técnicos de segurança do trabalho, engenheiros, trabalhadores das indústrias, funcionários dos setores de recursos humanos, acadêmicos de engenharia e alunos de cursos técnicos.

O superintendente do Sesi, Michael Gorski, deu as boas vindas aos participantes e falou sobre importância de conscientizar e prevenir os trabalhadores quanto aos riscos dos acidentes e das doenças do trabalho. “Dourados precisa de um forte empenho de todos, empresários e trabalhadores, para a implantar medidas preventivas para um trabalho seguro no dia a dia das empresas”, afirmou.

Já o presidente do TRT/MS, Desembargador Francisco Lima Filho, destacou que o objetivo do evento é despertar uma reflexão sobre a necessidade e a importância da adoção de medidas preventivas de preservação da vida, da saúde e da segurança do trabalho. “Esperamos que cada vez menos ocorrências danosas no ambiente laboral sejam registradas, pois assim preservaremos a vida e a saúde dos trabalhadores”, declarou.

Com o tema “O Cenário do Trabalho Seguro em MS”, o superintende do Trabalho e Emprego do Estado, Anízio Pereira Tiago e o auditor chefe de da fiscalização do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), Marcelo Nantes, trataram a respeito do cumprimento das normas regulamentadoras. “Evidentemente, para cada atividade econômica nós temos um tipo de norma regulamentadora e, eventualmente tanto os empregadores, como também os empregados em determinadas situações rejeitam o uso dos equipamentos que são necessários para que efetivamente a norma regulamentadora atinja o seu objetivo”, disse Anízio Tiago.

A temática “Capital e Trabalho – Desafios” foi apresentada pela engenheira de segurança do trabalho e presidente da Anest, Elizabeth Spengler, que falou da realidade que o Brasil enfrenta em um ano de realização da Copa do Mundo e muitas obras em construção. “Em função da copa, há muitas obras para se construir em tempo recorde e, muitas vezes, deixa-se de lado a segurança do trabalho. Já contabilizamos 9 mortes em obras da copa, o que leva a crer que muitos outros acidentes ocorreram”, analisou.

Já a palestra “NRs e suas Tendências de Revisão e Aplicação”, ministrada pelo engenheiro-ambiental Moacir José Cerigueli, tratou das normas que estão sendo revisadas, além das normas publicadas em 2014. “Serão publicadas importantes alterações como, por exemplo, a NR13, que trata sobre vasos de pressão e caldeiras e irá estender a obrigação às tubulações que alimentam as caldeiras. Outra importante publicação trata da periculosidade no setor energético, entre outras”, pontuou.

Moacir Ceriguelli também apresentou um panorama estatístico de acidentes do Brasil e apontou os índices como positivos. Segundo ele, os índices diminuíram devido a um processo que passa pelas ações nas empresas, melhoria das condições de trabalho, conscientização dos trabalhadores e a ação do governo no que diz respeito à fiscalização e melhoria das normas.

Na palestra “Atuação em Rede: Uma Proposta de Solução Integrada para a Indústria” , o especialista em desenvolvimento industrial e engenheiro de segurança do trabalho, Hércules Romualdo, tratou do atendimento dos serviços de segurança do trabalho, saúde e meio ambiente. “A ideia é procurar um processo que atenda as indústrias de maneira uniforme, de acordo com as reais necessidades da empresa por meio de um atendimento sob medida”, comentou.

Para a assistente da área técnica do Centro de Medicina do Trabalho, Adriana Magrini, 36 anos, que participou das palestras, o evento é uma importante fonte de conhecimento. “Nós buscamos constante esclarecimento quanto ao tema para transmitir às empresas a relevância de investir em segurança do trabalho”, falou. Já o técnico em segurança do trabalho da VBC Engenharia, Argeu Dantas, 45 anos, afirmou que os trabalhadores devem se atualizar frequentemente. “Precisamos estar sempre buscando conhecimento para estar por dentro das normas e procedimentos para prevenir, principalmente na construção civil”, disse.

Por Nayara Tiago

1 2

Search

+